Diário de Viagens e Trabalhos do Pajé
15fev/122

Relembrando a primeira motocicleta – Yamaha XV250, o retorno.

Posted by Pajé

Salve g@lera.

Para quem não sabe, minha primeira motocicleta foi uma Yamaha Virago 250 1998/1999, fotos aqui. Deste então sempre apreciei esta moto, sua beleza estética, bem como seu leque de opções através das versões disponíveis no mercado que são xv250, xv535, xv750 e xv1100.

Esta primeira aquisição aconteceu em meados de 2006, quando ainda residia na cidade de Brasília-DF e como um grande apaixonado, sempre pensei em adquirir outra para fazer algumas modificações. Enfim é chegada a hora.

A Ruíva, apedido da primeira virago, nunca será substituída até por que foi a primeira, mas neste ano de 2012 tomei a decisão de comprar outra e substituir a Burgman - AN125, nos deslocamentos diários. Sei que se tratando de uma custom, mesmo de baixa cilindrada, não é uma motocicleta muito confortável para andar no trânsito de São Paulo, mas por ser leve e pelo prazer acho que vai valer a pena.

Sem mais delongas, apresento-lhes à Pretinha, minha nova paixão de duas rodas.

Pretinha

Abraços e Viva Zapata!!!

2ago/102

Peças paralelas ou originais? Qual comprar???

Posted by Pajé

Minha motinha, Burgman AN125, estava com as pastilhas do freio dianteiro bastante gastas e já encostando o ferro no disco. Logo comecei a realizar uma pesquisa nas concessionárias Suzuki de São Paulo. Liguei nas lojas de Interlagos, Santo Amaro, Morumbi e Ibirapuera para orçar as peças, pois aproveitando o ensejo resolvi fazer uma revisão completa nos freios e trocar também o traseiro que devem estar gastos.

Fazendo uma avaliação dos preços, notei que em média eu gastaria:

- Pastilhas: R$42,00
- Patim: R$47,00
- Mão de obra: R$40,00
- Total da revisão: R$129,00

Perfeito. Agora com os preços fui agendar a manutenção. Como a semana passada foi super agitada para mim não consegui cumprir com os agendamentos e como a pastilha já estavam bem gastas, resolvi passar em uma loja de motos que fica perto da minha casa.

Minha reação foi de espanto quando perguntei qual seria o preço das pastilhas e tive como resultado a resposta: "Colocada eu faço 20 reais." Minha resposta imediata, até mediante minha falta de tempo e a marca que estava se formando no disco foi.... Troca... e agora.... hahaha

Enquanto o cara estava colocando as pastilhas novas, que se resume a retirada de dois parafusos  e reencaixe das peças, fiquei me questionando se estava fazendo a coisa certa, pois todos sabemos que peças paralelas normalmente são sinônimos de baixa qualidade.

Bem, vamos analisar. Temos R$ 40,00 X  R$ 129,00, mais ou menos 3 vezes o valor das originais e quanto ao risco de problemas, vamos imaginar que no máximo o que pode acontecer são elas gastarem mais rápido. Veja que eu jamais faria uma comparação dessas se estivéssemos tratando de uma bomba de combustível por exemplo.

Será que não vale mais a pena essas paralelas? Uma vez que se elas tiverem uma vida útil menor que as originais, será que 3 delas não vão durar mais ou pelo menos o mesmo tempo das originais? A manutenção não é cara, mas de 40 para 129 temos uma diferença brutal.

Sendo assim resolvi arriscar. Troquei somente as pastilhas, mas vou passar por lá e trocar os Patims também ainda esta semana e quando tiver uma avaliação mais detalhada da peça quanto a qualidade faço um review. Só o tempo vai dizer se fiz a coisa certa.

Abr@ços do Pajé.