Diário de Viagens e Trabalhos do Pajé

Projeto Estrada Real – São Paulo Diamantina em Outubro de 2011

Objetivo: Conhecer o trajeto velho da Estrada Real, acessanda pelo vale do paraíba em SP, indo até Diamantina – MG e retornando por Belo Horizonte e rodovia Fernão Dias.
Data: 03 à 08 de outubro de 2011
Motivação: Além de curtir a motocicleta durante o período de férias, conhecer as cidades históricas que são cortadas pela Estrada Real, como Caxambu, São João Del Rei, Outro Preto Mariana e Diamantina.

Itinerário e detalhes da viagem

  • São Paulo – SP
  • Caxambu – MG
    • São João Del Rei – MGScreenshot.png
  • Ouro Preto – MG
    • Mariana – MG
  • Itabira – MG
  • Diamantina – MG
  • Pouso Alegre – MG
  • São Paulo - SP
Distância Percorrida (todos os trechos) 2.109,5 Km
Tempo aproximado de viagem 1 Semana
Gasto aproximado de Pedágio (todos os trechos) Não calculado

 Diário do motociclista

 Salve galera.

Enfim consegui realizar esse projeto. A viagem intitulada “Projeto Estrada Real”, vem sendo planejada a mais de 2 anos e como não tinha tempo, só nos últimos dias das minhas férias de 2011 a viagem pode ser iniciada.DSC09799-0.jpg

Muitas coisas mudaram do plano original, nada de mudanças absurdas mas podemos dizer que foi uma otimização do trajeto. Originalmente a saída de SP seria no domingo, 02/10, mas acabei saindo somente em 03/10 por volta do meio dia por conta de algumas obrigações na capital. Portanto, tive que cancelar a hospedagem em São João Del Rei e transferir a de Santa Bárbara para Itabira. Nada que comprometesse a diversão.

Saí de SP com tempo bom e algumas nuvens, uma parada para almoço com os companheiros de trabalho @lunixbr e @homembit no La Degu e partiu para a viagem de fato. Marginais Pinheiros e Tiete, Dutra sentido Vale do Paraíba, parada para um café e abastecimento antes de iniciar a subida pela Serra da Mantiqueira, acesso via Cruzeiro – SP e ao terminar de subir adentro ao estado de Minas Gerais.

DSC09799-1.jpgSegui por Passa Quarto, Capivari e após algumas fotos e km cheguei em Caxambu por volta de 18hs. Me hospedei no Flat Hotel Caxambu que indico à todos. Muito bem recebido e acomodado além do bom preço e ótimo café da manhã. Por se tratar de uma segunda-feira, a cidade teve um movimento até umas 20hs, depois disso virou cidade “deserta”. Logo tive que dormir cedo mas confesso que o jantar foi ótimo e acompanhado por umas boas cervejas.

Para garantir um bom aproveitamento da viagem, o objetivo era percorrer algo entre 350 km por dia, sendo durante às tardes. Assim teria tempo acordando cedo, aproveitando um pouco da cidade pela manhã, partir, almoçar durante o trajeto, chegar na próxima cidade ainda com o tempo claro e curtir um pouco da noite. Foi assim todos os dias.DSC09799-3.jpg

Acordei bem cedo como programado, café da manhã, uma volta pela cidade passando pelo Parque das Águas, algumas fotos e de volta para a estrada que é a parte mais divertida do passeio. Aproximadamente 11hs parti sentido Seritinga e Andrelândia, mas quando parei para abastecer a Viúva Negra e conversando com o frentista, o mesmo disse que o melhor caminho era por Cruzília para meu espanto. Segundo o Google Maps não existe estrada entre Caxambu e Cruzília... Errado. Existe estrada, pavimentada e em boas condições... Enfim, retornei uns 15km e entrei sentido Cruzília. Maldito Maps pois toda minha viagem foi planejada usando ele.

DSC09799-10.jpgAgora no caminho certo, subi sentido São Vicente de Minas, passando por Madre de Deus de Minas e cheguei a São João Del Rei por volta de 13hs. Cidade movimentada e bem maior de Caxambú, tirei algumas fotos e bora almoçar. Após o almoço, mais algumas fotos e passeio pela cidade, desta vez a pé, pena que a estação ferroviária estava fechada para restauração, pois não consegui conhecer direito, só algumas fotos de longe e de volta para a estrada sentido Ouro Preto.

Depois de Alto Maranhão, ainda na BR-383, existe uma placa com a frase “Conheça a Estrada Real”. O Governo de Minas Gerais espalhou placas em todas as cidades que compõem a Região da Estrada Real e isso deixou o passei bem mais atrativo. Parada para algumas fotos, incidente com meu celular que ficou com alguns arranhões, nada fora do normal e segui pela BR-040 até a MG-443 sentido Ouro Branco. No projeto estavaDSC09799-14.jpg passar e tomar um café em Ouro Branco mas fui em diante passando somente pelo centro da cidade sem parar.

Esse foi o trecho mais fantástico da viagem porque o trajeto da rodovia MG-443 entre Ouro Branco e Ouro Preto é fiel ao trajeto da Estrada Real original. É possível ver pontes, algumas ainda em funcionamento, cachoeiras, o caminho de fato da estrada original etc. Pena que a rodovia estava bastante movimenta e não existia acostamento em sua extensão. Logo não rolou nenhuma foto. Enfim, chegada a Ouro Preto ainda claro e me hospedei no Pouso dos Viajantes. Uma pequena pousada bem na entrada da cidade.

DSC09799-19.jpgMais uma cidade que por volta de 20hs tudo fecha. Enfim, ainda é terça-feira e quem está em férias aqui sou eu, hehehe, uma volta pela cidade a noite, janta e cama. No dia seguinte, 05/10, após o café da manhã e mesmo com tempo fechado, segui em meu passeio pelas ladeiras de Ouro Preto. Na realidade o clima mais frio favoreceu devido às subidas cansativas e extensas. Muitas Igrejas regadas ao nosso bom ouro, ruas e casa preservadas. Segui até a estação ferroviária de Ouro Preto e mais uma decepção. O trem turístico que faz o trajeto Ouro Preto – Mariana só funciona Sexta, Sábado e Domingo. Mesmo assim a estação estava aberta ao público com um grande acervo histórico sobre as cidades de Ouro Preto e Mariana, além da história da ferrovia e do Circuito do Ouro.DSC09799-47.jpg

Uma volta pela cidade e visitação de alguns pontos turísticos e rumamos para Mariana. Saí de Ouro Preto por volta de 12hs com o objetivo de almoçar em Mariana. Em Mariana, fiz o passeio nas igrejas e pontos históricos antes do almoço. Cidade bacana, hospitaleira, parada para almoço, comidinha minheira no restaurante Rancho, antiga casa de fundição do ouro, e segui viagem. Pouco antes da saída da cidade um grito, “Ae Zapata”, era o Flávio do Coelhos do Asfalto MC de Mariana – MG. Trocamos ideia e alguns adesivos e segui viagem.

DSC09799-55.jpgPróxima cidade Itabira – MG, seguindo pela MG-129, uma pequena parada em Santa Bárbara para algumas fotos e segui para Itabira – MG. A viagem foi muito tranquila sem nenhum problema, porém neste trecho após Mariana, existem muitas minas da Vale, antiga Vale do Rio Doce, que somada a sujeira dos caminhões de minério e a chuva que me acompanhou até Diamantina, vocês já sabem o resultado. Moto e Pajé sujos de terra até a cabeça. Enfim, em velocidade reduzida por conta da rodovia sinuosa e chuvas na região, segui até Itabira, chegando por volta de 17hs.DSC09799-67.jpg

Em Itabira – MG, uma cidade maior que as outras e mais movimentada, pensei que fosse mais fácil encontrar hospedagem, é me enganei. Quase todos os hotéis e pousadas da cidade estavam lotados e pelo que percebi é uma cidade dormitório de viajantes. Enfim, após uma grande procura encontrei um local tranquilo para passar a noite e acomodar bem a Viúva Negra. Janta, passeio pela cidade e dormir que no dia seguinte o destino seria a ultima cidade do trajeto, Diamantina – MG.

DSC09799-68.jpgDormi até mais tarde pois neste dia, 06/10, o trajeto era menor e por conta da chuva que não parava. Segui pela BR-120, almoço rápido em Senhora do Porto – MG e em Guanhães, ao invés de entrar na BR-259, continuei pela BR-120. Ainda bem que percebi após uns 10km que as placas não indicavam as cidades que estavam no plano. Após perguntar, retornei e entrei pela estrada correta seguindo por Serro, Presidente Kubitschek e Datas. Enfim cheguei a última cidade da Estrada Real, Diamantina – MG.

Chegada a Diamantina por volta de 17hs com o tempo mais estável, embora neste dia a chuva tenha sido mais intensa no caminho bem como o frio. Diamantina é uma cidade alta, sendo seu ponto mais alto próximo de 1.380 metros com uma paisagem sensacional. Me hospedei no Hotel Tijuco. Hotel projeto por Oscar Niemeyer quando Juscelino Kubitschek era presidente, logo notei a arquitetura familiar. No hotel conheci o Roni, que trabalha lá e é integrante do Diamantes do Asfalto MC. Trocamos adesivos e me deu algumas dicas sobre a noite da cidade.DSC09799-71.jpg

Além da noite em Itabira, a noite de Diamantina estava viva. Saí para jantar, encontrei uma praça com vários bares e logo tratei de pedir umas cervejas. Experimentei uma cerveja chamada Backer. Cerveja artesanal mineira muito boa e isso prova que os mineiros não sabem fazer somente cachaça. No bar mesmo descobri que por volta de 01h iria ter em um Pub perto dali uma baladinha com música ao vivo e como ainda eram 11hs, resolvi ir para o hotel dormir e retornar a 1h. #Fail... Fracassei na missão pois dormi demais e quando acordei já eram 4hs da madrugada.

DSC09799-76.jpgNo dia seguinte, sexta-feira 07/10, após um passeio rápido pela cidade, iniciei o retorno para SP. Acabei dormindo demais e sai somente as 09hs do hotel. Com o dia estável e firme, segui pela BR-367 mas agora sentido Belo Horizonte pela BR-259, pois assim o trajeto de volta seria mais rápido, passei por Curvelo – MG, BR-135 que é super carregada, um pequeno pedaço da BR-040, agora em outro trecho mais ao norte e após passar por BH pego a BR-381 mais conhecida como Fernão Dias. Isso já era meio dia e parei em São Joaquim e Bicas – MG para almoçar. Almoço rápido e estrada novamente.

Por volta de 17hs percebi que não chegaria em SP com o tempo claro e resolvi dormir em Pouso Alegre retomando a viagem no dia seguinte. Em pouso Alegre e hospedado no Hotel Dias, descansei um pouco, jantei e conheci um Pub chamado Republica que rola umas bandas ao vivo mas estava tão cansado que fui embora por volta de 2hs. Detalhe a banda começa a tocar a 1h. No dia seguinte, 07/10, retomei a viagem de volta em torno de 9hs e almocei em SP.DSC09799-73.jpg

Essa viagem sem sombra de dúvidas foi uma das melhores se não a melhor que já realizei. Embora tenha sido sozinho, serviu para relembrar os passeios que fazia quando comecei a andar de moto e conhecer as cidades mineiras que estavam nos planos a mais de 2 anos. Foram 6 cidades visitadas, 2.109,5 Km e uma gama de informações culturais/históricas inestimável. É simplesmente fantástico entrar em casarões com mais de 200 anos, igrejas que levaram 30 anos para serem concluídas, presídios, museus e praças que serviam de mercado de escravos, enfim, conhecer um pouco mais sobre a história do nosso Brasil de fato e não só o que são lidos nos livos, além de estar acompanhado pela Viúva Negra que resistiu bravamente a todos os tipos de clima e calçamentos das cidades históricas. No geral o tempo esteve firme e bastante quente, sendo 1 dia e meio de chuva continua no total que não atrapalhou a beleza do passeio.

Fico por aqui planejando a próxima viagem.DSC09799-82.jpg

Abraços a todos os bikers do Brasil e VIVA ZAPATA!

Equipamentos e Acessórios utilizados:

- Alforjes
- Mala Traseira

Ferramentas
- Kit de ferramentas

Segurança
- Jaqueta e calça de Cordura
- Luvas de couro
- Capacete fechado
- Capa de chuva

Veja a galeria de fotos completa desta viagem: 

Comentários (4) Trackbacks (0)
  1. Pareceu ter sido bem interessante a viagem, curtir uma viajem dessas em duas rodas sozinho, poucos teriam essa disposição!

    Li o post por completo e muito me chamou a atenção sua ideia da viagem no final:
    “Foram 6 cidades visitadas, 2.109,5 Km e uma gama de informações culturais/históricas inestimável.”

    Bom saber que fora a curtição que foi fazer uma viagem dessas, o conteúdo de informações culturais a gregada a você como pessoa foi de alto nivel!

    LEGAL MESMO PAJÉ, PARABENS PELA VIAGEM E PELO TEXTO!

  2. Parabéns, Page!
    O blog ficou incrível. Adorei as postagens e as fotos.

  3. Obrigado Glaice.
    Bejo.

  4. Valeu Jackson…
    É isso mesmo irmão. Somar o motociclismo com diversão e cultura é o objetivo.
    Abraços.


Leave a comment


*

Trackbacks estão desabilitados